sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Eu não posso parar de sonhar!



Eu não posso parar de sonhar!

Com o fim da violência

Que mora em cada consciência

Com todas as famílias estruturadas

Com tantas crianças educadas!

Oh! Jovens, jovens ainda crianças

Vocês são a única esperança

De um sonhar; um mundo melhor

Planta bem no fundo do coração

Uma semente do amor ao irmão!

Cuide para que ela germine

Crie raízes cresça e contamine

Como uma enorme imunodeficiência

Um letal vírus do amor

Que não tenha cura humana

Que crie coisas muito bacanas

Como a vontade de poder participar

Das mudanças sociais e morais

De uma sociedade decadente

De uma elite quase demente

Corroída pelo vírus do ter

Que esse vírus letal absorva o ser

E se torne um imenso poder

De eliminar: A falta de leitura, de cultura,

Que por conseqüência

Elegem governantes sem consciência!

A violência

A ganância

O abandono da criança

O ciclo vicioso

Do descaso com o idoso!

A miséria humana

O descaso com a vida

Do planeta Terra:

A poluição

O desmatamento

O poder do ter.

A falta de piedade

O morrer da caridade

O crescer do despudor

Que no fim deságuam

Num imenso mar do desamor!


PEDRO AUGUSTO NESPOLI

19/09/2008

Um comentário:

PREFÁCIO DO LIVRO COMO UMA PLUMA disse...

Esse poema eu conheço e recomento a todos que acessem o blog abaixo que verão muitos outros muito interessantes;
http://pedronespoli.blogspot.com/